Nessa quarta-feira (24) é celebrado o Dia do Datilógrafo. O datilógrafo foi o profissional responsável por redigir textos, cartas, ofícios e petições em escritórios e repartições públicas do País até meados dos anos 80, quando surgiram os computadores pessoais. Aos poucos esses foram tornando desnecessária a profissão de datilógrafo, promovendo sua lenta e definitiva aposentadoria.

O datilógrafo utilizava a máquina de escrever imprimindo o texto escrito diretamente sob a folha de papel. Utilizava para isto o sistema de “tipos”.

frases-maquina-de-escrever-23

Em um processo unicamente mecânico, os “tipos” eram acionados por uma espécie de alavanca toda a vez que pressionada a letra correspondente no teclado. Esta letra então “batia” em uma fita coberta de tinta posicionada sobre a folha de papel. E então a letra era impressa imediatamente na folha mais ou menos como um carimbo. O texto era impresso em tempo real. Caso errasse uma letra era necessário inutilizar a folha e reescrever todo o texto ou apagar a letra errada com uma borracha para então rebater a letra correta.

Para evitar essa espécie de erros, o datilógrafo precisava ter uma destreza impressionante e dominar totalmente a técnica de escrever a máquina.

O datilógrafo foi, em um passado nem tão distante assim, um profissional requisitadíssimo nas empresas e repartições públicas. Era uma profissão que exigia o preparo de milhares de jovens, em sua maioria mulheres. Saber escrever a máquina era um diferencial. Um datilógrafo treinado conseguia a média de 100 palavras por minuto.

Para ser um bom datilógrafo o candidato a vaga em um escritório precisava passar por um curso que muitas vezes chegava a ser de dois, três e até de seis meses de aulas regulares.

Nestes cursos, o aluno aprendia a “escrever a máquina” semelhante ao que conhecemos hoje como “digitar um texto”.

A curiosidade é que o aluno era obrigado a decorar o posicionamento de cada letra do teclado para conferir rapidez à escrita. As aulas eram feitas com os olhos vendados, e o aluno rebatia incansavelmente as letras até decorar.

24-de-maio-datilografo

Somente muito mais tarde surgiu então a máquina elétrica e, finalmente, a maravilhosa IBM Elétrica que substituiu o sistema de alavancas por uma esfera onde eram gravadas as letras. Esta máquina, além de ter uma velocidade impressionante, possuía um mecanismo onde era possível apagar a letra errada e reescrevê-la imediatamente sem o uso de borrachas ou esmaltes.

Atualmente a máquina de escrever caiu totalmente em desuso e o datilógrafo passou a não ser mais um profissional requisitado. Apesar disso, as antigas máquinas de escrever continuam sendo as relíquias dos escritores e dos poetas.

Há certo romantismo no posicionamento daqueles tipos, no som das teclas, no barulho do carrinho quando se empurra o papel de volta ao seu início para escrever mais um parágrafo. Esses detalhes que os avanços tecnológicos facilitaram, mas que permanecem vivos em um charmoso recanto da nossa memória.

maxresdefault

 

Fonte: http://universoretro.com.br/dia-do-datilografo-saiba-mais-sobre-essa-que-ja-foi-umas-profissoes-mais-requisitadas/